Comissão científica

Comissão cientifica: Prof.ª Graciete Freitas; Prof.ª Cidália P. Vaz; Prof.ª Maria M. Lopes; Prof. Acácio Rodrigues; Dr. Rui Tomé; Drª Teresa Ferreira; Drª Virginia Lopes; Drª Isabel Rio Carvalho

quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

ACROPHIALOPHORA FUSISPORA

A Acrophialophora fusispora é um fungo filamentoso dematiaceo (produtor de pigmento escuro) septado.

A A. fusispora muito raramente foi associada a patologia humana, esta estirpe é de colecção. Está descrito um caso de abcesso cerebral e pulmonar em criança leucemica e uveites e queratouveitis.

Ao exame macroscópico as colónias são de crescimento rápido, a cor é cinzento-acastanhada com reverso preto.

Ao exame microscópico os conidióforos nascem, de modo isolado, directamente da hifa quer lateralmente quer na sua porção terminal. Os conidióforos são erectos ou um pouco curvos afunilando em direcção ao apex. No topo dos conidióforos originam-se espirais de fiálides, cada fialide termina num longo e afilado pescoço e dá origem a longas cadeias de conideos castanhos com a forma de limão.

A A. fusispora é neurotrópica pelo que deve ser manuseada com cuidado.

Estirpe gentilmente cedida pela Dr.ª Cristina Toscano do Serviço de Patologia Clínica do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental


8º dia de incubação em gelose Sabouraud.



11º dia de incubação em gelose Sabouraud.



21º dia de incubação em gelose Sabouraud.















terça-feira, 18 de Novembro de 2014

PAECILOMYCES VARIOTII

Estirpe isolada em secreções respiratórias de doente com fibrose quística.

Os fungos pertencentes ao género Paecilomyces são fungos filamentosos (hifomicetes) hialinos septados.

O Paecilomyces variotii está descrito com agente infeccioso causador de pneumonias, sinusites, endoftalmites, otites e infecções dos tecidos moles

Ao exame macroscópico as colónias são de crescimento rápido, apresentam textura granular e cor amarelo-torrado (cor de areia). Em 8 dias preenchem toda a superfície da placa.

Ao exame microscópico os conidióforos formam um aglomerado denso de ramificações verticiladas (à volta de um eixo). Cada ramificação é composta por até 7 fiálides que se dispõem muito próximas umas das outras. As fiálides são cilindricas ou elipsoides e terminam num longo e fino pescoço pescoço que dá origem aos conídeos. Os conideos são formados em longas cadeias, a sua  forma varia de  sub-esféricos a fusiformes e a cor de hialinos a amarela. É frequente a existência de clamidosporos.

Paecilomyces
Cor da colónia
          javanicus
Branco a creme crescimento lento
          lilacinus
Branco a violeta (cresc. rápido)
          marquandii
Branco a violeta
          variotii
Branco a amarelo-torrado (cresc. rápido)
          viridis
Amarelo-esverdeado (cresc. rápido)

A anfotericina B que é inactiva in vitro para o Paecilomyces lilacinus é eficaz para o Paecilomyces variotii. O itraconazol e o posaconazol são os únicos azois com alguma actividade contra o P. variotii. A micofungina e anidulafungina mostram grande actividade com o P. variotii mas não contra o P. lilacinus.

Considerando estes dados duas ilações deverão ser discutidas: a primeira é que é importante a identificação dos microrganismos até à espécie e a segunda é que provavelmente o P. lilacinus e o P. variotii não pertencem ao mesmo género

Cultura em Sabouraud: colónias com 48 horas.



Reverso da colónia.

Sementeira original da secreção respiratória ao fim de 8 dias de incubação. Observa-se, também, uma colónia de A. fumigatus e colónias de fungos leveduriformes.

Aglomerado denso de ramificações verticiladas

Cada ramificação é composta por até 7 fiálides

É possível observar um clamidosporo no canto superior esquerdo.


As fiálides são cilindricas ou elipsoides e terminam num longo e fino pescoço pescoço que dá origem aos conídeos. Os conideos são fusiformes e dispõem-se em longas cadeias



quinta-feira, 24 de Julho de 2014

CONIDIOBOLUS CORONATUS

Este fungo foi obtido por cultura de um fragmento de granuloma extraído cirurgicamente da região maxilo-etmoidal esquerda de um paciente com 65 anos residente na região centro de Portugal.

O exame macroscópico da peça revela uma massa com consistência e textura semelhante a queijo, sugerindo etiologia fúngica. O relatório anatomopatológico relata a presença de fragmentos de mucosa sino-nasal com infiltradoo linfoplasmocítico e de fragmentos que correspondem a massas densas de hifas e esporos com extensa calcificação .

O granuloma provocava destruição óssea que foi corrigida cirurgicamente.

O Conidiobolus coronatus é fungo filamentoso do grupo dos zigomicetes. Tem uma distribuição mundial mas predomina nas florestas húmidas tropicais.

A colónia apresenta um crescimento moderado, o aspecto macroscópico faz lembrar cera. Após alguns dias de incubação a periferia da colónia poderá apresentar novas pequenas colónias contribuindo para uma distribuição radial característica.
À microscopia apresenta conidióforos que dão origem a um conideo terminal. Os conideos são esféricos, unicelulares, e possuem uma papila proeminente, por vezes os conideos apresentam projecções externas (villae).
Os conideos podem germinar dando origem a tubos (hifas) únicos ou múltiplos que por sua vez originam outros conideos ou dando origem a pequenos conidióforos.












































Exame histológico de peça de biópsia: presença de hifas.

Maior ampliação da imagem anterior.

Ainda maior ampliação.

2º corte.

maior ampliação do 2º corte: enorme quantidade de hifas embora apenas uma colónia tenha sido obtida por cultura (o doente não estava à época sob qualquer tratamento antifungico)





massa densa de hifas pouco septadas